Veja como funciona o INPE – porta de entrada para brasileiros trabalhar na Nasa

Quer saber como funciona o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil? Leia este artigo para entender tudo sobre o INPE, uma das principais instituições de pesquisas do país e entenda porque é a porta de entrada para trabalhar para a Nasa.

A ideia deste conteúdo não é exatamente falar onde e como estão as vagas abertas na Nasa, mas sim como funciona esse órgão de pesquisa, que nem sempre é reconhecido aqui no Brasil, mesmo sendo demais importante.

Veja como funciona o INPE - porta de entrada para brasileiros trabalhar na Nasa

O que é o INPE

O INPE é uma fundação dedicada à pesquisa e exploração espacial, que promove, executa e incentiva estudos, pesquisas científicas brasileiros, além de colaborar em larga escala para o desenvolvimento tecnológico.

As áreas de estudo são Ciência Espacial e da Atmosfera, Aplicações Espaciais, Meteorologia e Engenharia e Tecnologia Espacial.

Também desenvolve pesquisas no campo da fusão nuclear.

É o criador e desenvolvedor do Experimento Tokamak Esférico, ou ETE, uma experiência com um tokamak, um reator de fusão nuclear.

Dentre os produtos derivados de suas pesquisas, estão a CBERS, uma parceria entre Brasil e China no setor técnico-científico espacial; a Missão Amazônia 1, que fornece dados imagéticos que ajudam a monitorar o desmatamento na região; e a Plataforma Multi-Missão, a PPM, dentro da arquitetura de satélites.

História do INPE

O Instituto surgiu no começo dos anos 1960, com o entusiasmo mundial gerado pela corrida espacial, liderada pela antiga União Soviética e os Estados Unidos, durante a Guerra Fria.

Alguns eventos que aconteceram naquela época foram decisivos: a ida do primeiro homem ao espaço, em órbita na Terra, o russo Yuri Gagarin e o Programa Apollo que lançou o homem à Lua em 69.

O primeiro passo foi dado em 1960 quando a Sociedade Interplanetária Brasileira (SIB) propôs a criação de uma instituição de pesquisas espaciais no país, enviando um pedido ao presidente da época, Jânio Quadros.

Este já estava entusiasmado com as iniciativas espaciais da época e assinou o decreto que criou o embrião do INPE em agosto de 1961.

O órgão que nascia era o Grupo de Organização da Comissão Nacional de Atividades Espaciais (GOCNAE).

Presente em oito Estados brasileiros, atualmente o INPE é referência nacional e internacional em pesquisas espaciais.

Também colabora com algumas organizações como a Agência Nacional de Águas (ANA), a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), Centro de Hidrografia Marinha, Epson Paulista LTDA, Faculdade de Engenharia Química de Lorena, Fundação João Paulo II e muito mais.

Biblioteca e Órgão Científico

A fim de dar suporte às suas pesquisas, aos docentes e cursos de pós-graduação, o INPE possui uma biblioteca com mais de 60 mil títulos e 230 mil itens entre livros, revistas científicas e periódicos.

Sendo a principal responsável pela preservação da memória técnico-científica do país.

Atuar no INPE

Tudo isso torna o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais um dos órgãos científicos mais importantes do país, servindo para que muitos cientistas nativos cheguem mais longe.

É uma porta de entrada para a Nasa.

Para fazer parte do Instituto, é necessário passar pelo processo seletivo público. Acompanhe tudo pelo site.