Em corte de gastos, Uber suprime 3.700 postos de trabalho

A pandemia vivida em 2020 tem afetado a vida de muitas pessoas e suas famílias. Dado a alta taxa de contágio e transmissão da doença por vias respiratórias, muitos governos têm adotado o isolamento e o distanciamento social como estratégia para conter e barrar o aumento do número de infectados.

Isso tem afetado principalmente a dimensão econômica da vida das pessoas, visto que muitas foram demitidas ou tiveram seus contratos suspensos. Os trabalhadores informais também sofreram muito com isso, pois, como não podem sair para trabalhar, perceberam queda na sua renda.

Em corte de gastos, Uber suprime 3.700 postos de trabalho
Foto: reprodução/ internet.

O impacto também chega para as empresas, que precisam recorrer à demissão de seus funcionários como maneira de cortar gastos. Uma dessas empresas foi a Uber, multinacional americana com foco na prestação de serviços na área do transporte privado.

Entenda a decisão da Uber

A Uber está em atuação no mercado dos Estados Unidos desde 2009, e iniciou suas atividades no Brasil em 2014, com a primeira sede na cidade do Rio de Janeiro. Desde então, oferece um serviço de transporte de maneira similar aos táxis, ainda que com preços bem abaixo daqueles praticados pelos taxistas.

Entretanto, com a atual pandemia, e numa tentativa de cortar gastos, a empresa demitiu mais de 3.700 funcionários, entre as áreas de recrutamento e inteligência de usuários. Segundo dados divulgados pela empresa, espera-se ter um gasto aproximado de US$ 20 milhões decorrentes do pagamento de indenizações e outros encargos relacionados.

ANÚNCIO

Esse corte no quadro de funcionários representa uma diminuição de 14% do número de colaboradores da Uber. Outra medida anunciada pela empresa foi a renúncia do salário do CEO, Dara Khosrowshahi, até o final do ano fiscal de 2020, que acaba em 31 de dezembro de 2020. A iniciativa foi tomada pelo próprio CEO.

Suspensão de contas de motoristas 

A Uber registrou uma alta queda na receita proveniente do segmento de transporte privado, visto que a procura por elas, em tempos de pandemia e isolamento, diminui drasticamente. Esse prejuízo observado no principal negócio da empresa poderia representar um prejuízo de aproximadamente US$ 10 bilhões.

Entretanto, visando à saúde e ao bem estar de seus motoristas parceiros, a companhia anunciou uma medida protetiva para aqueles que fossem diagnosticados com a nova doença. O anúncio foi realizado no dia 16 de março de 2020. Ao ser confirmada a situação com a pessoa, ele teria sua conta de motorista no aplicativo suspensa.

Não foi especificado se esse auxílio financeiro seria padrão para todos, ou se seria uma média do valor recebido pelo motorista. Porém, o benefício seria dado por um período de até 14 dias enquanto a conta estivesse suspensa. Além disso, a empresa também estava disponibilizando produtos de limpeza para manter o seu carro limpo.

Uber Eats

Além do corte no quadro de funcionários, a Uber também anunciou o encerramento das operações do Uber Eats em sete países. Ainda que não esteja relacionada com a nova doença, a atitude foi tomada levando em consideração que o retorno financeiro que eles estavam tendo não correspondia ao esperado.

Entretanto, o segmento de entrega de comida será o principal ponto de apoio da Uber até que o número de corridas volte a ser expressivo. Esse recurso será importante não apenas para a empresa, mas também para os restaurantes afetados pela pandemia. Para isso, a Uber orienta seus entregadores a evitarem o contato com os clientes.

ANÚNCIO